O vídeo amador na resolução de crimes

Você conhece alguém que não tenha um celular? Se a resposta (por mais incrível que possa parecer) é sim, então e quantas pessoas você conhece que têm um?

Os números não têm comparação.

E a maioria dos celulares hoje em dia são smartphones que vêm com câmera de fotografia e vídeo incorporada, permitindo a qualquer pessoa com um desses equipamentos tirar fotos e produzir conteúdo de vídeo.

Juntando a isso o crescente número de câmeras utilizadas por quem se desloca em seu transporte próprio, vamos nos deparar com uma situação em que, pelo menos nos maiores centros urbanos, a grande maioria da população está preparada para fazer um vídeo em poucos segundos.

Dessa forma todo o tipo de situações são pegas em filme, e de entre elas uma que se destaca por seu impacto na vida das pessoas são os crimes.

Os vídeos de crimes chegam diariamente nos mídia e nas redes sociais e, se frequentemente são apenas lá colocados como forma de alguém dizer que presenciou uma situação dramática, a verdade é que esses vídeos têm muitas vezes ajudado a polícia a investigar crimes e a identificar criminosos que de outra forma poderiam escapar ou demorar muito tempo a ser capturados – e entretanto cometer mais crimes.

Nunca é demais recomendar que se se encontrar numa situação em que esteja presenciando um crime, a sua segurança está primeiro. Se decidir mesmo filmar o acontecimento, assegure-se antes de mais de que está num local seguro e fora do alcance dos bandidos.

O seu papel pode ser preponderante para a polícia resolver o crime e por isso seu vídeo deverá ser entregue ou enviado para as autoridades competentes.

Acima de tudo nunca tente intervir, mostrando que está filmando por forma a dissuadir os criminosos. Apesar de poder estar desempenhando um papel fundamental, sua segurança está primeiro.